O meu caminhar?
É feito de silêncios confidentes
Anónimos, invisíveis
Como o vento que se sente e não se vê…
Sigo de mansinho
Rumo à Luz crescente
Num esforço para aceitar
Todo aquele que não crê…
E vou assim na tormenta agitada
Dum cabo difícil de dobrar
E no intervalo de cada passada
Repouso suavemente
na certeza do Teu olhar

Hoje estou: Pensativa
tags:
publicado por Rasgos de Poesia às 14:35